Início

O Branco Legítimo não existe, é um falso cognato, este comeu feijoada, tapioca e umbuzada, ama canjica, pamonha e cuscuz (com leite e abóbora), torceu a coluna num afoxé que viu no carnaval e está pronto para assumir, não que é negro, mas colorido, de tons tão diversos que podem ser comparados ao número de passos de frevo que existem, quanto o número de capoeiras no mundo e quantos minutos se pode dançar um alto de um cavalo-marinho. 

Neste semestre eu fiz uma escolha, essa escolha foi de encontro a de um grupo. Depois disso as pessoas passaram a ignorar minha presença, como se eu não quisesse ser daquele grupo ou não pensasse neles e apenas em mim. Então passei a refletir como minhas decisões geravam e geram atitudes preconceituosas, quando mais amenas, a indiferença a minha pessoa. Isso foi um “start” em minha memória para tantas coisas que vivi anteriormente em outros contextos.
Seguindo o raciocínio e a linha do tempo, me deparei com a primeira abordagem preconceituosa de minha existência, pelo menos, a que consigo acessar agora através da memória. A idade eu não sei ao certo, mas já na escola ou pré-escola, falavam da minha cor, era muito branco, os colegas de sala diziam que era branco como uma alma, aquilo me diferenciava e me excluía do grupo. Em casa, quando contava o ocorrido a minha mãe, ela me corrigia dizendo que eu não era branco legítimo, porque o branco, branco mesmo, de verdade, é aquele que tem o cabelo bom (liso), eu já era uma mistura (de outras raças), então não tinha que me preocupar com isso. 
E por isso resolvi buscar entendimento sobre o preconceito, não apenas em relação à cor da pele, mas de uma forma mais ampla, sobre atitudes, posturas e ações que, até mesmo de modo sutil e, algumas vezes, imperceptivelmente, causam a inclusão e a exclusão de pessoas em grupos sociais diversos, inclusive nos contextos de dança a que estive inserido ao longo de minha trajetória. Muitas lembranças foram elencadas e outras serão acrescentadas para exploração no e pelo corpo para uma criação de um solo em dança. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário